Procedimentos estéticos na gravidez: pode?

As mulheres estão engravidando cada vez mais tarde. Muitas, quando engravidam, já são adeptas de procedimentos estéticos como preenchimento e botox.

Com a crescente popularidade dos procedimentos cosméticos, nós dermatologistas somos confrontados quase que diariamente com situações que necessitam de conhecimentos sobre a segurança de tais procedimentos durante a gravidez.

Mas o que pode e o que não pode fazer durante a gravidez???

Cremes anti-rugas e clareadores, principalmente os que contém ácidos (retinóico, glicólico e salicílico) e hidroquinona, são contra-indicados. Pergunte sempre ao seu obstetra antes de usar qualquer produto.

Protetores solares podem e devem ser usados. A gravidez é um período em que as células que produzem pigmento estão muito ativadas, por isso o risco de surgir manchas é muito grande! Evite tomar sol, e use sempre um bom protetor.

Hidratantes também são muito importantes, principalmente no abdome e região de quadril e nádegas, que são mais propícios ao surgimento de estrias. Mas os produtos que contém uréia e ácido salicílico não devem ser usados!

A segurança dos procedimentos cosméticos em mulheres grávidas não foi extensivamente estudada, e os riscos para a saúde materna e fetal devem ser muito bem avaliados!

Um pesquisa publicada recentemente mostrou que recomendações definitivas sobre a segurança de procedimentos como peelings químicos, preenchimentos injetáveis, e a maioria das terapias a laser durante a gravidez não podem ser feitas. A segurança do uso da toxina botulínica por motivos neurológicos está melhor documentada, mas alguns casos de abortos foram relatados usando altas doses de toxina (o que não ocorre para tratar rugas). O laser de CO2, que é usado para tratar rugas e cicatrizes, também já foi usado com segurança para o tratamento de verrugas em mulheres grávidas.

Porém, apesar da possível segurança de alguns procedimentos, a postura mais sensata é evitar e adiar estes procedimentos para depois do parto e da amamentação.

Afinal, a segurança do bebê vem em primeiro lugar!